SmartSharing na Revista Qual Imóvel

SmartSharing traz conceito inédito de compartilhamento de imóveis

Com sistema único no país, modelo permite dá direito a clientes usarem apartamentos em áreas nobres de SP

Os negócios ligados à prática de compartilhamento estão ganhando o mundo e algumas pesquisas demonstram que o potencial desta economia é otimista e os ganhos, cada vez maiores. A projeção de movimentação global, segundo estudo da PWC para 2025, é de US$ 335 bilhões. Já dados da consultoria Nielsen demonstram, por sua vez, que (em 2013) 70% das pessoas na América Latina estariam dispostas a participar de serviços de compartilhamento, contra 52% na América do Norte.

Esse conceito de economia colaborativa tem mudado as formas de relacionamento entre as pessoas e delas com os seus bens. Com isso surgem novas ideias, negócios, aplicativos e soluções que aproximam as pessoas e buscam aproveitar mais os bens e os serviços, gerar menos impacto ambiental (aliado ao conceito de sustentabilidade), mais economia e mais renda.

Pensando nisso, os executivos Clovis Meloque e Fabiano Cordaro resolveram criar a SmartSharing. O negócio é um novo conceito de unidades compartilhadas urbanas em São Paulo. Eles iniciaram o trabalho em setembro.

“Percebi que muitas pessoas tinham apartamentos montados em São Paulo para uso eventual, e que esses imóveis ficavam desocupados a maior parte do tempo, gerando um custo alto de manutenção. E, por causa disso, quis criar uma maneira de compra de imóvel para uso do tamanho das necessidades das pessoas”, declara Cordaro.

“Desenhamos um produto capaz de atender tanto as empresas, cujo turismo é de negócios, como as pessoas que viajam a lazer; a compra de um produto similar a um segundo imóvel, por uma fração do preço, e apenas pelo tempo que ele vai realmente utilizar, de forma mais racional”, acrescenta.

Como funciona

Na SmartSharing as pessoas não compram uma propriedade, elas assinam um contrato de longo prazo que dá direito ao uso de apartamentos compartilhados em áreas nobres de São Paulo, iniciadas na Vila Olímpia –já inaugurada – Jardins, Perdizes e Região da Av. Paulista, previstos para o primeiro semestre de 2018.

“Para termos um produto completo, firmamos parceria com a o grupo hoteleiro ICH, que detém as bandeiras Yoo2, Intercity e hi!, que possui mais de 35 hotéis no Brasil; e também com a Rede Global, da RCI – Resorts Condominiums Internacional–, líder mundial em intercâmbio de férias, com mais de 4,3 mil empreendimentos afiliados em cerca de 110 países. Com isso, quem aderir ao programa de fidelização da empresa para uso poderá também se programar para viagens tanto para a capital paulista como para as principais capitais do País – e turismo pelo mundo – de forma fácil e rápida, através de uma plataforma de reservas on-line”, explica Meloque.

Nesse segmento de compartilhamento no ramo imobiliário esse é o primeiro e único de São Paulo. “Somos pioneiros em plataforma multidestino no segmento de uso compartilhado no Brasil. Nenhum empreendimento até hoje, vendeu um produto tão completo, urbano, multidestinos, para Turismo de Lazer e Negócios”, destaca Cordaro.

São Paulo é uma das cidades que mais recebem turistas no Brasil, cerca de 14 milhões, segundo os dados do Observatório do Turismo. “Quem se fideliza e adquire um contrato da SmartSharing poderá usufruir em modernos apartamentos com padrão hoteleiro (serviço, arrumação check-in e checkout), sem ter que se preocupar com nada, e para maior conveniência, algumas unidades são equipadas com mini cozinha. É econômico, pois já se garantiu quanto ao preço do futuro, mesmo com toda a volatilidade do segmento, como um cartão pré-pago por até 15 anos”, alerta Meloque.

Ele conta que a ideia está agradando aos interessados com fechamento acima do esperado. Com esses primeiros resultados positivos, os sócios estão otimistas e, por isso, possuem um grande plano de crescimento.

“Pretendemos ampliar para cerca de 50 novos apartamentos nos próximos dois anos na rede própria da SmartSharing. Para tanto, já temos em concepção as unidades nos Jardins e em Perdizes. Queremos alcançar mais de mil clientes no período de um ano, 50% empresas e 50% famílias. Sabemos que o compartilhamento imobiliário para o segundo imóvel é um caminho sem volta e só irá crescer no Brasil e no mundo nos próximos anos. De olho nesse mercado, criamos uma holding para desenvolver negócios correlatos e já temos originados cerca de 7 projetos fora de São Paulo”, finaliza Cordaro.

Font: http://www.revistaqualimovel.com.br/noticias/smartsharing-traz-conceito-inedito-de-compartilhamento-de-imoveis

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *